quinta-feira, 5 de julho de 2012

Carruagens

C.P.: Ao acompanhar histórias de um século atrás, ou que se passam nesse período, acabam sempre aparecendo carruagens. Havia lugares chamados Passeios, onde as famílias mais abastadas faziam aparições sociais diárias [algo como 'Olha eu tenho dinheiro para manter uma carruagem!!!']. Foi também um importante meio de transporte, muito popular no século XVIII, chegando a ser comum o uso de carruagens de aluguel. Eis algumas:









Barouche: 


Criada na França, século XVIII. Viatura com duas rodas, geralmente puxada por quatro cavalos, levava no máximo seis passageiros. Tinha uma cobertura removível na parte posterior. Era utilizada em ocasiões pouco formais, como um passeio no campo ou no parque.




Caleche (ou caleça):

É uma carruagem francesa do século XVIII. Tem quatro rodas e dois assentos duplos de frente um para o outro. O cocheiro conduz na parte da frente do veículo. Era tradicionalmente puxada por dois cavalos de alta qualidade, e servia sobretudo para passeios de personalidades abastadas durante o verão.





Berlinda:

Carruagem criada na Prússia, século XVII, é rápida, leve e possui quatro rodas. Era puxada por dois a quatro animais. Citada como transporte de imagens de santos. Representava mais conforto por conta do design com dois varais laterais, que detinham maior estabilidade.











Brake (ou break ou breque):

Estilo de carruagem usada no século XIX, e início do XX. Foi inventada no Reino Unido, não tinha cobertura e foi desenhada sobretudo para ser conduzida no campo.





Buggy:

Carruagem para dois passageiros puxada por um ou dois cavalos. Entre os anos de 1865 e 1915, foi o principal meio de transporte para curtas distâncias, em países como o Reino Unido e o Canadá.





Cabriolé:

Foi criado no início do século XIX, na França. Carruagem leve de duas rodas, puxada por um animal, normalmente um cavalo. Possui uma capota fixa ou removível. O cocheiro fica por trás da carruagem, num apoio próprio, de onde pode manobrar o veículo mais facilmente. Embora usada no início do séc. XIX pela alta burguesia, tornou-se popular como carruagem urbana de aluguel.



Coche:

O primeiro modelo foi construído na Hungria (em Kotze, de onde deriva o nome), consistia em uma caixa suspensa através de correias de couro. Assim, sem o contato direto da caixa com as rodas, evitava a trepidação incômoda aos passageiros.




Cupê (ou coupé):

Veículo com quatro rodas coberto, o único passageiro que pode acolher vai virado para frente da viatura, atrás do condutor. Normalmente existe um vidro, separando o passageiro do condutor, e protegendo-o da sujeira da estrada. Era o tipo de transporte particular, mas também utilizada como trem de praça.






Dog-cart (ou docar):

É uma pequena viatura puxada por um cavalo, com duas rodas altas e equipado com uma cesta para acomodar cães de caça. Foi inventada na Grã-Bretanha.




Faetonte (ou faeton ou phaetont):

É uma carruagem do século XVII, que no século XIX evoluiu para uma carruagem de quatro rodas, pequena, alta e descoberta. Seu nome deriva de Phaeton, personagem da mitologia grega.
Phaeton era filho de Hélios [deus do sol], e da ninfa Climene. Um dia o pai lhe entregou as rédeas do carro do sol e ele aproximou-se tanto da Terra que criou um enorme incêndio, dando o fogo ao homem. Zeus fulminou-o com um raio, e Phaeton precipitou-se sobre o rio Eridano [rio pó].






Fiacre:

Inicialmente era uma carruagem fechada de quatro rodas e quatro lugares, mas a palavra passou a designar qualquer viatura de aluguel. O nome parece ter vindo do hotel Saint-Fiacre, em Paris, junto ao qual estacionavam as primeiras carruagens de aluguel.











Landau (ou landó):

Veículo de quatro rodas, com cobertura removível e dois bancos de passageiro colocados frente a frente. Era utilizada nas cerimônias oficiais. Teve origem na cidade alemã de Landau, no século XVIII.









Tilbury (ou tílburi):

É uma carruagem leve e sem cobertura, de duas rodas, puxada por um cavalo. Foi criada em Londres, no início do século XIX pela empresa construtora de carruagens, Mount Street. O condutor tem assento junto ao passageiro. Foi utilizada como carruagem de aluguel. No Brasil, ganhou uma capota e foi utilizada como meio de transporte público de um passageiro. Começou a rodar no Rio de Janeiro em 1830, por influência francesa.








Sege: 

Era um veículo do século XVIII, de meia caixa com dois lugares e duas ou quatro rodas, puxada por uma parelha de cavalos, ligeira e fácil de manobrar tanto nas deslocações urbanas quanto em viagens.






Vitória:

Assim chamada em homenagem a Rainha Vitória [Inglaterra], é uma carruagem de quatro rodas e dois lugares com um banco a frente para o condutor. Era uma viatura sobretudo urbana, de grande popularidade no final do séc. XIX e início do séc. XX.














Nenhum comentário:

Postar um comentário